“UMA VITÓRIA DA HUMILDADE”, António Costa

António Costa dizem, ser o mais hábil político da sua geração. Os parceiros da esquerda afirmaram que provocou eleições para poder ter uma maioria. Quando deixou de a pedir, ela ‘caiu-lhe’ ao colo.


Na noite da vitória (41,6% dos votos e elegendo 117), Costa afirmou: “Foi uma vitória da humildade”, ou ainda “Não é o poder absoluto e governar sózinho”. Vamos aguardar, porque já tivemos más experiências.

Destas eleições pode-se concluir que mesmo com as condicionantes da pandemia, registou-se a mais baixa abstenção dos últimos anos e os eleitores ‘castigaram’ o BE e CDU por ter chumbado o OE. Os Bloquistas vêem o seu grupo parlamentar diminuído significativamente e a CDU sofre do mesmo e perde dois excelentes parlamentares como António Filipe e João Oliveira.

Pouco espectável o Livre elege um deputado e o CDS do ‘Chicão’ que aspirava a ser Ministro da Defesa, deixou de ter representatividade na AR. Impensável para um partido que está nos cimentos da democracia. (...)

(Ler mais na 4ª-feira na edição em papel)


Foto- Créditos TVI