UM POUCO DA HISTÓRIA DE PORTALEGRE

Comemorado há pouco a elevação de Portalegre a cidade, importa aqui recordar de forma sucinta, a história desta cidade capital do distrito.



Recorrendo ao seu historial através da Wikipédia, podemos ficar a saber que “Segundo uma lenda frequentemente referida, descrita por Frei Amador Arrais na sua obra "Diálogos" de 1589, Portalegre teria sido fundada por Lísias no século XII a.C., na sequência do desaparecimento da sua filha Maia. Esta passeava com Tobias quando é cobiçada por um vagabundo, Dolme, que a rapta e assassina Tobias. Lísias fica desesperado pelo desaparecimento da filha e vai à sua procura, acabando por encontrá-la morta junto a um regato que hoje tem o nome de Ribeiro de Baco. Lísias virá a morrer de alegria quando julga ter visto a filha estender-lhe os braços. À cidade entretanto fundada foi dado o nome de Amaia”.

A história continua com a vila a crescer em importância e "em 21 de Agosto de 1549 foi criada a Diocese de Portalegre, por bula do papa Paulo III, na sequência de diligências nesse sentido por parte do Rei D. João III, que elevaria Portalegre a cidade a 23 de Maio de 1550. A importância da cidade nessa época traduzia-se, por exemplo, no volume das receitas do imposto sobre as judiarias, o qual era semelhante ao do Porto, e só era ultrapassado pelo de Lisboa, Santarém e Setúbal. Era também um dos centros de indústria de tecidos mais importantes do país, juntamente com Estremoz e Covilhã.

Portalegre viria a torna-se capital do distrito homónimo “aquando da formação dos distritos a 18 de Julho de 1835. É a cidade capital de distrito com menos população em Portugal e a maior cidade do seu distrito”.

É também sede do município com 447,14 km² de área e 21 868 habitantes (Sensos 2012), subdividido em 7 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Castelo de Vide, a nordeste por Marvão, a leste pela Espanha, a sul por Arronches e Monforte e a oeste pelo Crato”.


(Fonte-Wikipédia|Foto-D.R.)