top of page

TOMADA DE POSSE – Órgãos sociais da Associação Casa Juvenil Nª Sr.ª da Assunção

Arronches - No final da tarde de ontem (5 de Janeiro) reuniram-se nas instalações ‘PraCachopos’ os eleitos para o novo mandato desta associação.


Francisco Corado como Presidente da Assembleia-geral deu posse aos órgãos sociais para este novo mandato que ficou assim constituído:

Assembleia-geral: Francisco Monteiro Rasquilha Corado, Presidente; José João Gonçalves Bigares, 1.º Secretário; Nuno José Andrade Amaral, 2.º Secretário.

Órgão de Administração: Maria João Moura Romão Valentim, Presidente; Maria João da Silva Fernandes, Vice-presidente; José Manuel Carrilho Trindade, Tesoureiro; Ana Paula Cardoso Tavares, Secretária; João Francisco Velez Galão, Vogal.

Conselho Fiscal: Luís António Porto Ramalho, Presidente; José Tomás Lagarto Monteiro, 1.º Vogal; Pedro Miguel Baptista Fernandes, 2.º Vogal.



João Crespo, por motivos óbvios, deixou de fazer parte dos órgãos sociais da associação. Depois da tomada de posse afirmou ter sido “uma honra e um privilégio, fazer parte durante todos estes anos desta associação” que levará sempre com ele nas suas memórias. No momento de deixar de exercer funções, não esqueceu “todo o trabalho não só dos dirigentes como de todos os que trabalham nesta casa, sem os quais não seria possível alcançar os objectivos a que nos propusemos”, frisou.

Maria João Valentim, presidente da administração, fez para o Notícias de Arronches uma breve resenha (ouvir aqui) do que foram estes 10 anos à frente da associação, que começou por receber os primeiros utentes em Janeiro de 2013, tendo inaugurado as instalações o então Secretário de Estado, Marco António Costa a 4 de Fevereiro desse mesmo ano.

Maria João Valentim começou por dizer que “foi no início um trabalho difícil ao longo destes 10 anos, um trabalho difícil, porque no princípio a população de Arronches não aceitou os miúdos que nós recebíamos, por outro lado a equipa tinha também pouca experiência para lidar com este tipo de situações, e digamos que foi um princípio muito difícil”.

O tempo é sempre não só o melhor conselheiro, como dá experiência perante as dificuldades que vão surgindo pelo caminho, pelo que em sua opinião passados 10 anos dizer que “ penso que o balanço é positivo porque temos dirigido a instituição de forma sustentada, quer em termos sociais como económicos”. A associação tem “duas respostas sociais, tem vindo a crescer. Tem também vários projectos”.

Ao fim de 10 anos quisemos saber em termos de futuro, quais os novos projectos da associação agora que iniciam um novo mandato por mais quatro anos. A dirigente revelou-nos que “ começámos com a ‘Pracachopos’, depois acolhemos as crianças do ‘Bem me Quer’, somos responsáveis pelo CLDS e projectos de apoio às pessoas mais carenciadas”.

Em termos de futuro diz “termos agora um grande projecto que vamos desenvolver nos próximos quatro anos, que é a construção de um ‘Lar Residencial’ para o qual já temos o financiamento através dum projecto no âmbito do ‘Pares’, financiado pela Segurança Social e que será o nosso grande desafio para os próximos quatro anos, que esperamos venha a ser concretizado uma vez que é uma necessidade a nível do país e foi um ‘desafio’ da própria Segurança Social para nós acolhermos esta resposta”, se o conseguirem “irá ser construído e vai ter lugar para 30 jovens adultos portadores de deficiência. É o nosso grande projecto”, concluiu.


(Entrevista-Fernando N. Marques|Fotos-Notícias de Arronches) 


bottom of page