RELATÓRIO DO ‘INSTITUTO RICARDO JORGE’ APONTA PARA DECRÉSCIMO NA PANDEMIA

"O objectivo deste relatório de situação é apresentar as estimativas da curva epidémica da infecção por SARS-CoV-2 por data de início de sintomas e as estimativas dos parâmetros transmissibilidade R0 (número básico de reprodução) e R (t) (número de reprodução efectivo em função do tempo).


Resultados e interpretação


Após a correcção da curva epidémica para o atraso de notificação, com base nos dados recolhidos, estima-se que até 08 de Agosto de 2021 tenham ocorrido 996.542 casos.

As regiões Alentejo e Autónoma da Madeira apresentam a média do índice de transmissibilidade (5 dias) superior a 1.

Todas as regiões do continente apresentam uma tendência decrescente ou estável do número de novos casos.

Até dia 08 de Agosto de 2021 o R (t): na região Norte passou de 1,42 a 29-06-2021 para 0,92, na região Centro de 1,34 a 28-06-2021 para 0,97, na região LVT de 1,25 a 16-06-2021 para 0,98; na região Alentejo de 1,25 a 01-07-2021, para 0,99; e na região do Algarve de 1,32 a 25-de Junho de 2021 para 0,95.

Alentejo 106 (Nº médio de casos diários) 329,9 (Taxa 14 dias) 1,01, 0,99, 1,04 R (t) [IC 95%]

Números inferiores só nas regiões autónomas da Madeira (30) e Açores (50).

A região Algarve apresenta uma taxa de incidência acumulada superior a 480 casos por 100.000 habitantes, as regiões Norte, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Autónoma dos Açores entre 240 e 479,9 casos por 100.000 habitantes, e as regiões Centro e Autónoma da Madeira entre 120 e 239,9 casos por 100.000 habitantes".


(Créditos-Inst. Ricardo Jorge|Imagem-Facebook)