O CUSTO DA ENERGIA ELÉCTRICA NA PENÍNSULA IBÉRICA

Enquanto por cá em plena campanha eleitoral, partidos como o BE e o CDS-PP ‘batem’ no governo pelo custo excessivo da luz e as rendas pagas às eléctricas, que anualmente apresentam lucros brutais e dividendos para os accionistas, o governo de Espanha toma medidas.


Catarina Martins afirmou recentemente que “não estamos perante picos pontuais, estamos perante um aumento constante e agudo dos preços no mercado grossista. Se nada for feito, a electricidade pode aumentar 10 euros na factura média mensal no próximo ano”, dizendo mesmo “Se nada for feito, será uma bomba relógio nas facturas das famílias”.

Para o Presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos em declarações à Lusa, defendeu “uma baixa dos impostos na electricidade, acusando o governo de praticar um “assalto” à carteira dos portugueses na factura da electricidade”.

Recordando ao governo, “agora que se aproxima o inverno, em que muitas famílias estão aflitas para manter a dignidade e o aquecimento do seu lar, tem urgentemente que baixar estes impostos sobre a electricidade”.


Espanha prepara "grande plano de choque" para reduzir preço da luz


Segundo o ‘El País’ estará "iminente", de acordo com o governo espanhol que “Pedro Sánchez assumiu o compromisso de que os consumidores no final de 2021 estejam com preços da electricidade semelhantes aos de 2018”.

Também em entrevista ao ‘Expansion’ a Ministra da Energia Teresa Ribera, disse que “o governo espanhol está a preparar um "grande plano de choque" para reduzir os preços da electricidade no país, numa altura em que o mercado ibérico está em alta”.

Para o governo de Espanha terá que haver uma leitura mais objectiva do que é o preço quilowatt-hora, mas olhar com maior atenção sobre como vai ficar a factura, que pode disparar mais 25% em relação a 2020.


(Fontes-El País, Expansión, Observador|Foto-D.R.)