NOITE DAS ‘SOPAS’

Voltou aos ‘Celeiros’ a Noite das Sopas no dia de 5 de Novembro, depois do interregno pela pandemia numa organização Associação Freestyle Iceshow Arronches.


Os últimos números que conseguimos apurar rondavam as cerca de 600 pessoas que acudiram ao evento. Entre a assistência encontravam-se vários representantes do poder autárquico (Câmara e Juntas de Freguesia).

A ementa distribuía-se pelas sopas de Tomate, Aves, Grão, Cação e Feijão. Logicamente que aqueles que não iam pelas sopas tinham a banca das bifanas. As bebidas servidas em copos recicláveis, sobremesas e as tigelas que podiam trazer para casa. A animação musical esteve a cargo de Vitor Realinho que serviu para improvisados bailes nos dois espaços.



As sopas sempre fizeram parte da alimentação das populações mais desfavorecidas, pois os vários ingredientes estavam quase sempre nas pequenas hortas. Também a galinha, ou o porco que era criado com os restos da comida para ser abatido nos meses frios que proporcionava os enchidos (chouriço, farinheira, morcela, entre outros) e carnes para o novo ano. Igualmente os legumes e ervas aromáticas estavam na horta, leguminosas nos lugares ou mercearias, onde se encontravam mais acessíveis.

“De recordar que estamos integrados na dieta mediterrânica tal como a Espanha, Itália, Chipre, Croácia ou mesmo Marrocos, que foram os países que apresentaram a candidatura da Dieta Mediterrânica a Património Imaterial da Humanidade da Unesco. A candidatura foi aprovada a 4 de Dezembro de 2013 durante a 8ª Sessão do Comité Intergovernamental em Baku, no Azerbaijão”.[1]


(Fotos-N.A.-Créditos Wikipédia)