top of page

“MONFORTE SACRO” GALARDOADO COM GRANDE PRÉMIO SOS AZULEJO

O júri de avaliação das candidaturas aos Prémios SOS Azulejo 2022-23 foi unânime em distinguir com o galardão de “Grande Prémio SOS Azulejo 22-23” a candidatura intitulada “Monforte Sacro”, apresentada pelo Município de Monforte e pela Santa Casa da Misericórdia de Monforte, pelo “excepcional nível da candidatura e contributo para a valorização do património azulejar português”.


Na cerimónia de entrega dos prémios, que teve lugar no dia 6 de Maio, no Palácio Fronteira, em Lisboa, e decorreu por ocasião das comemorações do Dia Nacional do Azulejo, que se assinala nessa data, estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal de Monforte, Gonçalo Lagem, o Vice-Presidente e Vereadores do seu executivo, respectivamente Fernando Saião, Mariana Mota e Emídio Mata, a Dirigente da Unidade Orgânica de Urbanismo, Obras e Serviço Urbanos, Lina Barroqueiro, e os funcionários afitos aos serviços municipais envolvidos no projecto “Monforte Sacro”, Paula Morgado, Romão Mimoso, Sérgio Batista e José Militão da Silva, e o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Monforte, José António Rasquinho, acompanhado pelo seu antecessor, David Rodrigues.

Para além dos representantes dos referidos organismos responsáveis pela candidatura, estiveram também presentes os técnicos parceiros do projecto, nomeadamente Maria de Lourdes Cidraes e Vítor Serrão, lamentando-se a ausência, por motivos de saúde, de José Meco.

Nesta cerimónia foram, ainda, divulgadas as mais recentes etapas do Projecto SOS Azulejo, criado e coordenado pelo Museu da Polícia Judiciária, em prol da causa azulejar, com incidência em contributos para o esforço de inventariação azulejar municipal, a nível nacional.

O Projecto SOS Azulejo tem como parceiros a Associação Nacional de Municípios Portugueses, a Rede de Investigação em Azulejo da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, a Universidade de Aveiro, o Instituto Politécnico de Tomar, a Guarda Nacional Republicana e a Polícia de Segurança Pública.

A iconografia da Rainha Santa Isabel é um património artístico riquíssimo no domínio da escultura, da gravura, da pintura a óleo e de azulejo.



É na vila de Monforte, no Alto Alentejo, que se conserva o mais completo e original programa iconográfico dedicado à Rainha Santa Isabel. Trata-se de um acervo azulejar proveniente da Igreja do antigo Convento do Bom Jesus, um dos mais notáveis mosteiros femininos do Alto Alentejo, igreja demolida em 1945/46.

É constituído por cerca de 15.000 azulejos setecentistas que revestiam inteiramente a nave da igreja, contendo representações nalguns casos inéditas de milagres e episódios da vida da Rainha Santa.

Estes azulejos que constituem aquilo que resta do riquíssimo acervo da igreja foram retirados e armazenados em 59 caixotes numa dependência da Santa Casa da Misericórdia de Monforte, sua proprietária.

Em 2006, foi firmado um protocolo entre a Câmara Municipal de Monforte e a Santa Casa da Misericórdia da mesma vila com objectivo de proceder à inventariação, registo fotográfico e montagem do referido acervo. Os trabalhos iniciaram-se em 2012. Desde então teve lugar o rigoroso e exaustivo trabalho de inventariação realizado pela equipa da Câmara Municipal de Monforte que permitiu a identificação temática da totalidade dos painéis historiados e reconstituir o notabilíssimo revestimento integral da igreja.

Terminada a inventariação do espólio azulejar, importa sublinhar a forma meritória como a Câmara Municipal desde a primeira hora se empenhou na salvaguarda de um precioso património que urge devolver ao nosso tempo.

Considerando que o objectivo final deste projecto foi sempre a instalação definitiva deste importantíssimo espólio em espaço público que permitisse a sua fruição, a Câmara Municipal de Monforte encontrou a melhor forma de reintegrar este singular património na malha urbana da vila.

Efectivamente ao decidir a reabilitação da antiga Igreja do Espírito Santo, actualmente propriedade da autarquia, para no seu interior proceder à recolocação condigna do revestimento azulejar da igreja do convento do Bom Jesus de Monforte, conseguiu conjugar dois objectivos: além da requalificação de um edifício histórico, dar também dignidade e visibilidade a um espólio riquíssimo e valiosíssimo.

Assim, nasceu com a feliz designação de “Monforte Sacro” um espaço de referência para a fruição pública, situado no centro histórico da vila, de um centro interpretativo que de uma forma clara contextualiza este património que renasceu passados mais de sete décadas de esquecimento.

(Fonte: GC-C.M.Monforte)

 

Comentarios


bottom of page