MONFORTE AINDA MAIS VERDE. O mar começa aqui!

No âmbito do Programa Eco-Escolas, um programa internacional do “Foundation for Environmental Education”, desenvolvido em Portugal desde 1996 pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), a Escola EB 2,3 e o Município de Monforte aderiram ao Projeto “O mar começa aqui!”.



Refira-se que a Escola EB 2,3 de Monforte, em parceria com o referido Município, candidatou-se pela primeira vez ao Programa Eco-Escolas no ano lectivo de 2012-2013 e, desde então, tem recebido o prestigiante galardão de Eco-Escola, hasteando a Bandeira Verde que a identifica como tal.


Para que Projeto “O mar começa aqui!” tenha o efeito de uma campanha impactante na comunidade local e nacional, a sua concretização implica a conjugação de sinergias entre os Municípios e Freguesias, as Eco-Escolas dos respectivos concelhos e a ABAE.

Os Municípios aderem ao projeto dispondo-se a envolver as suas Eco-Escolas (e outras), coordenam o projeto a nível local, responsabilizando-se por toda a logística inerente à sua concretização que articulam com as suas escolas e fornecem os materiais necessários à implementação do projeto sendo responsáveis pela escolha e distribuição dos mesmos.

Para além da concretização de outras ações previstas pela metodologia proposta, e visando uma campanha de sensibilização junto da comunidade, cada escola criou uma imagem destinada a ser pintada numa sarjeta ou sumidouros de águas pluviais.

Em Monforte, foram pintadas duas sarjetas, uma junto à entrada principal da Escola e a outra nas imediações do edifício dos Paços do Concelho, na Praça da República.


O enquadramento e os objetivos do projeto são explicados em informação veiculada no site do projeto que se transcreve:

«Após a ocorrência de fenómenos de precipitação, o percurso das águas pluviais, é inicialmente feito à superfície nas áreas impermeáveis, como por exemplo, telhados, pátios e valetas de arruamentos, mas é rapidamente conduzida para os coletores instalados subterraneamente, através das sarjetas e sumidouros, onde flui até ser devolvida aos cursos naturais de água, lagos, lagoas, baías ou no mar.

As sarjetas de passeio e sumidouros são importantes dispositivos de entrada de fluxos de água, dado que garantem o acesso das águas pluviais às redes de drenagem, contudo, são frequentemente objeto de deposição de resíduos, quer decorrentes do arrastamento das águas da chuva, quer decorrentes da atividade humana, como óleos alimentares, garrafas, beatas, entre outros.

Compete às autarquias não só assegurar a provisão do serviço de gestão de resíduos urbanos no seu território, garantindo a limpeza das vias e espaços públicos, sarjetas e sumidouros à superfície, mas também alertar e sensibilizar a população em geral e para a comunidade escolar em particular, para as consequências, quer nos ecossistemas terrestres, quer nos ecossistemas marinhos, da incorreta deposição dos resíduos.

É neste contexto que a ABAE lançou o desafio “O mar começa aqui” a todas as autarquias do país.»

«Objetivos:

Compreender a necessidade de preservação dos ecossistemas e da biodiversidade em geral e da qualidade da água doce e salgada em particular;

Educar para uma cidadania ativa incitando os jovens a passar a mensagem de que “Tudo o que cai no chão, vai parar ao mar” a toda a comunidade educativa;

Estimular a criatividade dos alunos, através do desenvolvimento de competências em áreas como a expressão plástica.

Implementar estratégias de cooperação escolas-autarquias para a promoção da sustentabilidade.»


(Fonte e fotos-CMMonforte)