top of page

Mãe e Empreendedora: uma poderosa - e possível - combinação


Opinião: Ana Gonçalves

As vidas de todas as pessoas têm os seus desafios, mas acredito que um dos maiores será o das mulheres que dividem a maior parte do seu tempo entre a gestão de um negócio próprio e as responsabilidades da maternidade.

Não subscrevo o epíteto de Super-Mulher. Antes acredito em mulheres que sabem dividir o seu tempo, com organização e competência. Mulheres que, quando vestem o papel de líderes, dão o seu melhor no tempo que têm destinado para isso e depois, na vida pessoal, em especial como mães, dão igualmente o seu melhor. E, claro, terá que sobrar tempo para todo o resto que cada uma gosta de fazer.

Como pode uma mulher, em 2024, ter a dupla função de empreendedora e mãe? Eis algumas ideias:

Delegar e dividir: Uma boa empreendedora e uma boa mãe não tem que fazer tudo sozinha. Aliás, não o deve fazer. No caso da empresa, é essencial formar uma boa equipa, com diversas valências e permitir que cada um cumpra o seu papel. Uma boa líder olha de cima e é responsável pela estratégia e não por fazer tudo. No papel de mãe, as realidades podem ser diversas, mas é natural que as tarefas sejam divididas, para que sobre tempo para passar tempo de qualidade com os filhos.

Fazer um horário: É importante dividir o tempo. Se o dia tem X horas úteis, é preciso decidir quantas são afectas à empresa e quantas são à família. Depois, é tirar o melhor partido possível dessas horas. Claro que haverá dias com imprevistos, mas planear é sempre uma boa política.

Soltar-se de amarras: Claro que não vivemos sozinhas no mundo e há opiniões que devemos ouvir, mas é importante lembrar que somos donas do nosso destino. Só nós sabemos o que é melhor para a nossa empresa e o melhor para os nossos filhos. Procuremos sempre ser melhores, mas ouçamos o nosso instinto.

Sei que este texto, no âmbito do Dia Internacional da Mulher, tem como alvo um número menor de mulheres do que eu gostaria. Milhões de mulheres em todo o mundo ainda vivem com limitações no acesso a oportunidades e muitas nem sequer podem trabalhar. Mas aquelas de nós que puderam estudar e vivem em países onde podem criar oportunidades, devem procurar a felicidade pessoal e profissional, em honra de todas as mulheres do mundo.

Ana Gonçalves, Fundadora da Academia Negócios de Saúde

Comentários


bottom of page