ESTADO DE CALAMIDADE E NOVAS MEDIDAS (ler aqui)


O Primeiro-ministro anunciou ontem as novas medidas no combate à vaga de infecção por Covid-19 que está a assolar o país. O Estado de Calamidade (soft, quanto baste) que entra em vigor a partir de 1 de Dezembro, trás como grande novidade a ‘Semana de Contenção’, ou seja depois das festas de Natal e Ano Novo 'trancas à porta'.

Em especial nesta semana o teletrabalho passa a ser obrigatório e as aulas só começam dia 10 de Janeiro. Quem é que fica com as crianças com creches, ATLs e outras similares que vão estar encerradas? Também neste período as discotecas vão estar encerradas.

O governo depois de ouvir os especialistas na reunião do INFARMED e os partidos políticos, decidiu na reunião do Conselho de Ministros que “a 1 de Dezembro Portugal entra em situação de calamidade. As fronteiras aéreas terão controlo apertado e testes obrigatórios, máscaras serão obrigatórias em espaços fechados e a semana de 2 a 9 de Janeiro será de “contenção” de contactos”.

António Costa alertou para a necessidade de sensibilizar os portugueses para a toma da 3ª dose da vacina. Isto porque a vaga na generalidade dos países da Europa está a crescer e, Portugal mesmo com a taxa elevada de vacinação com a 2ª dose, “estamos numa fase de risco”, com o Inverno à porta e as festas familiares, a atenção deve ser redobrada, pelo que aconselhou os portugueses a protegerem-se fazendo os testes (PCR ou antigénicos), antes das reuniões familiares.

Vamos então às medidas que interessa os portugueses terem em contam e são: Testagem regular; Teletrabalho; As máscaras passam a ser obrigatórias em todos os espaços fechados; Obrigatório apresentar certificado digital para entrar em Restaurantes; Estabelecimentos turísticos e alojamento local; Eventos com lugares marcados; Ginásios; Para visitar Lares, internados em estabelecimentos de saúde, grandes eventos desportivos em recintos ou locais improvisados sem lugar marcado; discotecas e bares.

Testes negativos obrigatórios para todos os voos que cheguem a Portugal e será "reforçado o controlo nos aeroportos" e que empresas de segurança privada vão realizar “verificação sistemática", GARANTIU o Primeiro-ministro.


(Fonte  e foto @gov.pt)