Escola de Hotelaria de Portalegre reúne o mundo dos vinhos de São Mamede



A Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre reuniu produtores, enólogos e vários agentes relacionados com o mundo da vitivinicultura para discutirem as peculiaridades e o potencial dos vinhos da Serra de São Mamede. “Portalegre, a Serra e os Vinhos” foi o nome dado à iniciativa que a escola organizou e que serviu para valorizar e potenciar estes activos produzidos a partir de vinhas velhas de altitude em solos de transição.

Pela primeira vez, e a convite da Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre, o mundo dos vinhos da Serra de São Mamede reuniu-se para partilhar experiências e conhecimentos. Estes são muito particulares por resultarem de uma simbiose de factores que lhes garante características únicas e que têm um potencial por explorar muito elevado.


Nesta primeira edição do “Portalegre, a Serra e os Vinhos, houve duas mesas redondas. A primeira foi sobre “Vinhos de Altitude, Vinhos de Solos de Transição e Vinhos de Vinhas Velhas” e contou com participantes como o produtor de vinho, João Afonso, o enólogo e produtor de vinho, Rui Reguinga, o consultor de vinicultura, José Luís Marmelo, Diogo Vieira, da adega Altas Quintas, e João Gabriel, da Adega de Portalegre Winery.

Na sessão da tarde, que teve como tema “O potencial gastronómico dos vinhos de altitude”, contou com os contributos da produtora de vinho, Susana Esteban, de Luís Cabral de Almeida, da Sogrape, de João Azevedo Mendes, da Symington Family Estates, e de Paulo Soares, da Herdade da Malhadinha Nova.


No final, ficou claro que as características dos vinhos de São Mamede são únicas e têm um valor inestimável e que ainda há muito trabalho a trilhar para aproveitar todo o potencial em causa. Esta reunião contribuiu, de alguma forma, para que os diversos agentes estejam sintonizados em prol de um objectivo comum que é o de valorizar o valor acrescentado que estes vinhos têm.