Dia Mundial do Cinema. Porque vale a pena celebrar a memória

“Assinala-se hoje o Dia Mundial do Cinema, quando se celebram também os 125 anos da primeira sessão pública do cinematógrafo dos Lumière. Mas quem foram afinal os inventores do cinema?


O calendário tem dias de tudo e mais alguma coisa, mas este ano há boas razões para se celebrar o Dia Mundial do Cinema. Por um lado, esta arte fantástica está mais receosa do que nunca na sua forma clássica de contar histórias, por outro lado há uma efeméride redondinha: este ano celebram-se os 125 anos da primeira sessão pública de cinema, a curiosa – talvez estranha na altura - sessão do cinematógrafo dos Lumière. Foi esta a primeira vez que espectadores pagaram um bilhete para ver o futuro.

Quanto mais distantes no tempo são os eventos históricos, mais permissivos são para uma certa romantização do acontecimento. Não se pode referir com certeza absoluta que foram realmente os irmãos Lumière os inventores do cinema. Não podemos sequer dar uma data precisa e o nome isolado de quem inventou as maquinetas que o tornaram possível.

Os irmãos de Lyon foram os primeiros a mostrar uma solução eficaz de captura e projecção de imagens. A equipa de inventores de Edison já antes tinha forma de captar imagens e mostrar essas fotografias animadas. Mas não tinham a magia do espectáculo de projecção pública. Cada espectador tinha a experiência isolado dos restantes, através de um caixote ligado à novidade da corrente eléctrica. Anos antes outros tentaram fazer o mesmo. O nome “Cinematógrafo”, tinha já sido registado por um outro inventor francês, León Bouly, que anos antes desenvolveu experiências de captação de imagem com um aparelho de que registou a patente e o nome: “Cinematograph”. Por dificuldades de manter o pagamento dessa patente e garantir investidores para desenvolver comercialmente o projecto, acabou por falir e vender o nome aos Lumière”. (Sapo-foto/Texto - Mário Augusto)