DIA INTERNACIONAL DO TRABALHADOR

A CGTP a maior central sindical do país, vai juntar em Lisboa mais de 4.000 participantes. Com o fim do estado de emergência que nunca impediu a CGTP de comemorar as datas mais significativas, recorde-se a Festa do Avante que tanta polémica gerou e, ao fim e ao cabo, com todos os cuidados que o PCP/Avante colocaram na celebração do evento, não houve conhecimento de nenhum surto proveniente dessa festa.



Agora com o fim do estado de emergência e o desconfinamento, espera-se que a CGTP, consiga dar o exemplo de como sejam manifestações de carácter política/sindical ou outras, se podem realizar, cumprindo com as regras da DGS, pois essas continuam a estar presentes.

O ‘Dia internacional do Trabalhador’ que se comemora a 1 de Maio em quase todos os países democráticos, é o resultado de uma luta que teve lugar a “1 de Maio de 1886, quando uma greve foi iniciada na cidade norte-americana de Chicago, com o objectivo de conquistar condições melhores de trabalho, principalmente a redução da jornada de trabalho diária, que chegava a 17 horas, para oito horas. Nessa manifestação, houve confronto com policiais o que resultou em prisões e mortes de trabalhadores. Seria esta uma manifestação que serviria de inspiração para muitas outras que se seguiria. Essas lutas de trabalhadores não foram em vão. Os trabalhadores de todo o mundo conquistaram uma série de direitos e, em alguns países, tais direitos ganharam códigos de trabalho e também estão sancionados por Constituições".

Em Portugal foi o 25 de Abril que trouxe a possibilidade da comemoração em liberdade desta data significativa para os trabalhadores portugueses, cujas imagens dessa Alameda coberta por uma multidão nunca antes vista, ainda hoje perdura na geração que viveu esse período da nossa história, feita de conquistas debaixo de um regime ditatorial.



(Fonte-Redacção/Wikipédia|Foto-D.R.)