DESPESA COM SUBVENÇÕES VITALÍCIAS DE EX-POLÍTICOS VAI AUMENTAR

Despesa com subvenções vitalícias de ex-políticos vai aumentar 14% para 8,28 milhões de euros em 2022?


Esta análise é feita no ‘Polígrafo’ por Gustavo Sampaio (30 Out. 2021), sobre uma publicação no Facebook em que é afirmado ir-se verificar um aumento de 14% nas subvenções vitalícias (ex-políticos e juízes do Constitucional).


A interrogação é: O QUE ESTÁ EM CAUSA?

"O valor global das subvenções vitalícias sobe 14% no próximo ano, para os 8,28 milhões de euros. Face à despesa prevista para este ano, os encargos com as subvenções para toda a vida aumentam 1,02 milhões de euros", Despesa com subvenções vitalícias de ex-políticos vai aumentar 14% para 8,28 milhões de euros em 2022? © Agência Lusa / Manuel de Almeida

"Aumento de pensões para o povo, 0,33 cêntimos por dia! Migalhas para o povo e milionárias pensões para os sanguessugas da política que se reformam com pouco mais de meia dúzia de anos", denuncia-se no post de 25 de Outubro.


Verdadeiro ou falso?


“Na proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), entretanto chumbada na Assembleia da República, está inscrita a despesa prevista da Caixa Geral de Aposentações (CGA) no próximo ano, inclusive a despesa específica com as subvenções mensais vitalícias, cuja lista de beneficiários é pública”., escreve Gustavo Sampaio.

“Contudo, na medida em que a proposta de OE2022 foi chumbada, este aumento de despesa poderá não ser concretizado.

Entre 1985 e 2005, os governantes e deputados (e também os juízes do Tribunal Constitucional) tiveram direito a uma subvenção vitalícia a partir do momento em que completaram 8 ou 12 anos de exercício dos cargos (consecutivos ou interpolados), independentemente da respectiva idade”.


Nota editorial (Polígrafo): este conteúdo foi seleccionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é: VERDADEIRO, MAS...


(Créditos - Poligrafo e Lusa|Foto-D.R.)