ARRONCHES E BENFICA VENCE DÉRBI CONCELHIO

Estádio Municipal 'Francisco Palmeiro' 4ª Jornada da Liga 'Francisco Gil'

da AF Portalegre

SPORT ARRONCHES E BENFICA 1 - 0 FUTEBOL CLUBE MOSTEIRENSE


Dizer que o guarda redes do Arronches e Benfica, Mateus não fez uma única defesa durante o encontro, seria demasiadamente redutor. Partilhamos antes da forma lúcida e sintetizada como o comentador desportivo da Rádio Portalegre, Marco Ferrandini que se estreou ao lado de António Parente nestas funções no dérbi entre o Arronches e Benfica e o F.C. Mosteirense.



Temos para nós que João Trindade surpreendeu ao colocar Aliú a central esquerdo no Arronches, a estancar esse lado e a sair com qualidade e passe nesse corredor. Num período em que o Arronches e Benfica utilizou mais o corredor direito, vindo depois os alas para dentro, estava a batuta do capitão Roberto procurando Lucas Sibito, ou quem estava posicionado para finalizar.

Jorge Moura colocou o experiente Carapinha a seis em frente ao quarteto defensivo e com os seus homens atrás da linha da bola, mantendo o losango e tentando sair em contra-ataque, com dois homens na frente. Um processo muito semelhante ao que vimos em Gavião no final da Taça de Honra.

O Arronches e Benfica passou grande parte do primeiro tempo instalado no meio campo do Mosteirense e sempre com quatro ou cinco jogadores no último terço. As oportunidades foram surgindo mas não estiveram prestos na finalização, onde também a barra a impedir a bola de entrar… ou Camané a manter o nulo.

No segundo tempo mesmo com as substituições de ambos os treinadores, pouco se alterou, continuando a pressão no último terço por parte dos da casa e a notar-se cada vez mais a condição física entre as equipas.

O ‘abre latas’ surgiu aos 35’ com Rui Petas a apitar e apontar para a marca de grande penalidade que o capitão Roberto assumiu, dando a vitória à sua equipa.

De lamentar a lesão de Rafa que entrou no segundo tempo e estava a mexer com o jogo.

Naturalmente que neste, como noutros dérbis, quem vence está sempre ou quase sempre satisfeito com a arbitragem e quem perde o encontro o árbitro é o ‘culpado’ do desaire. Na realidade Rui Petas não teve influência no resultado e a sua prestação foi bastante positiva.