ARRONCHES E BENFICA …e o ‘calvário’ continua

João Trindade neste campeonato como director desportivo, voltou a sentar-se no banco como treinador por saída de ‘Calina’. Houve algumas alterações ao fazer alinhar como titulares: David (gr), Cipriano, Alemão e Bairon -na defesa (a 3). No meio campo, David, Aliú, Tiago e Kakuba. Na frente, D’Jaló, Maga e Panuchi.

Na primeira parte notava-se a equipa mais motivada, indo para cima do Mortágua e a defesa a cometer menos erros. Foi com esse equilíbrio, onde o árbitro Gonçalo Inácio da A.F. de Setúbal, teve uma hesitação, primeiro apontar para a marca dos onze metros que seria a favor do Arronches mas, logo de seguida mandou jogar. Ficou a dúvida quanto à decisão!

Foi com o resultado em branco que as equipas foram para o intervalo. O Mortágua saiu para o segundo tempo a pressionar mais alto, com mais agressividade e daí em diante a defesa do SAB começou a vacilar. De tal forma que provocou uma grande penalidade que os visitantes aproveitaram para colocar o marcador a seu favor. Notou-se aquela que já vem sendo a instabilidade emocional dos jogadores (pela pressão) e numa falta desnecessária, o Arronches sofria o segundo golo de bola parada.




Quando as coisas assim se apresentam, tudo é desfavorável porque aos 23’ da segunda parte, Luís Miguel enviou uma bola à barra da baliza. Trindade mexeu na equipa até esgotar as substituições. Como se isso não bastasse, Alemão lesionou-se e alterou-se a defesa, mas o SAB continuava a carregar. O adversário sempre bem posicionado defensivamente com cinco (pois o sistema de jogo era como o do Arronches) geriu o resultado, saindo uma ou outra vez em transição rápida. Para terminar com mais um resultado negativo, ainda se lesionou Okolie.

Das premissas que apontámos em artigo anterior, mudou-se o treinador e a equipa continua a sofrer golos, não consegue marcar até a esta 5ª jornada um único golo. Há alguns jogadores demasiado agarrados à bola em dribles consecutivos, perdem linhas de passe e as defesas adversárias recolocam-se. Faltam passes de rotura e um ponta de lança na área que seja o ‘homem golo’ que falta muitas vezes e nos faz recordar Lucas Sibito. Será que destas premissas: Falta qualidade à equipa? Está vulnerável à pressão ou, como dizia o outro, “têm que ir à bruxa”…

O caminho rumo ao traçado desejado está cada vez mais complicado, sobretudo a confirmarem-se mais lesões.


Fernando N. Marques|Fotos-Notícias de Arronches