A Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre abriu o período de candidaturas

A Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre abriu o período de candidaturas para o ano lectivo de 2021/22 no início do mês de Junho e vai aceitar inscrições de novos alunos e alunas até ao dia 20 de Julho.


O processo que já está em vigor apresenta como principal novidade o crescimento da oferta formativa e o alargamento da actividade da escola que assume, assim, uma dimensão ainda mais regional.

A Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre reforça a sua aposta na formação de nível 4, ou seja, os cursos de Dupla Certificação. Depois de vários anos com Técnico(a) de Cozinha/Pastelaria e Técnico(a) de Restaurante/Bar, a EHT Portalegre vai oferecer, a partir do próximo ano lectivo, a possibilidade dos novos alunos estudarem para Técnico(a) de Alojamento Hoteleiro.

Esta é a grande novidade neste nível de formação e uma resposta da escola ao mercado que necessita, cada vez mais, de profissionais qualificados para desempenharem funções em áreas como a Recessão Hoteleira, a Informação Turística e/ou Agência de Viagens e Transportes.

Nos cursos de Especialização Tecnológica, a EHT Portalegre já tinha consolidado a sua oferta formativa em 2020/21, com a criação do curso de Gestão Hoteleira e Alojamento, e dá seguimento a esse crescimento, com a proposta de Gestão de Produção e Pastelaria.

Outra das grandes novidades é a abertura do curso de Gestão Hoteleira e Alojamento em Évora. Desta forma, a Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre procura dar resposta às necessidades do mercado, com a qualificação diferenciada de mais profissionais, numa área que continua a crescer e assume-se, cada vez mais, como a referência da formação em Turismo no Alentejo.

“O percurso da Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre tem sido coerente desde a sua criação. O crescimento acontece de forma natural e consistente. No último ano, aumentámos a nossa oferta com a criação do curso de Gestão Hoteleira e Alojamento que se revelou numa aposta ganha. Conscientes que é necessário expandir a nossa área de acção, vamos abrir este mesmo curso em Évora e, em simultâneo, apresentamos mais dois cursos em Portalegre, um de Nível 4 e outro de Nível 5. O de Técnico(a) de Hotelaria e Alojamento surge no seguimento dos bons resultados conseguidos com o curso de Gestão Hoteleira e Alojamento. O de Gestão e Produção de Pastelaria pretende formar técnicos nesta área e valorizar os produtos regionais e técnicas de confecção tão diferenciadas como os aplicados na doçaria conventual alentejana”, explicou a directora da EHT Portalegre, Maria Conceição Grilo.

Os cursos têm uma componente técnica muito forte à qual se associam a componente de desenvolvimento pessoal e a preparação dos jovens para uma acção ambiental e socialmente responsável.

Perante os desafios dos últimos meses, a EHT Portalegre, que integra a rede de escolas do Turismo de Portugal tem introduzido mudanças significativas na sua organização e metodologia de formação, adequando-as à mudança digital acelerada que pauta o sector. Em 2021/2022, a escola continuará a apostar no processo de transformação digital para consolidar as soluções de ensino à distância, a produção de suportes pedagógicos digitais e de apoio ao estudo. A modalidade de ensino online vai continuar a ser uma realidade para todos os cursos de especialização tecnológica, ocupando 15% a 20% da carga horária teórica.

Para preparar os profissionais do futuro com competências adequadas às exigências do sector do turismo, que acrescentem valor às empresas, que actuem com responsabilidade, ética e sustentabilidade e que assegurem um serviço de qualidade focado nos clientes e no desenvolvimento de experiências únicas, é essencial rever modelos e conteúdos, utilizar a tecnologia e os recursos digitais, mas também, criar projectos colaborativos com outras escolas e outras entidades e, sobretudo, com as comunidades locais e as empresas.

Paralelamente, têm vindo a ser introduzidas novas metodologias de educação-formação, com projectos-piloto de aprendizagem baseada em projectos, de aprendizagem experiencial e de aprendizagem integrada, onde a formação deixa de estar focada na transmissão de conhecimento para estar focada na geração de competências através da resolução de situações concretas, do envolvimento em projectos reais, na resolução de questões identificadas nas empresas e nas comunidades.